eskisehir escort porno
xxnx com
umraniye escort
porn
sivas escort yalova escort
escort malatya escort manisa
izmir escort bayan porno gratis
ankara escort
huluhub.com
sex movies
kurtkoy escort
porno xxx bf hindi
kusadasi escort bayan
kocaeli escort
gaziantep escort antep escort
atasehir escort
izmir escort gaziantep escort
suckporn pornstereo

Para assegurar capacidade produtiva pós-calamidade

MASA pretende integrar seguro agrícola e tecnológias resilientes na planificação

O Ministro da Agricultura e Segurança Alimentar, Higino de Marrule falava na sexta-feira, 17 de Maio de 2019, em Gondola, Província de Manica durante o encerramento do V Conselho Coordenador depois das visitas que efectuou aos campos de produção e reassentamentos onde observou vastas áreas de produção e pastagem severamente devastadas pelo ciclone IDAI, onde reiterou a necessidade de reflectir e integrar na planificação, a questão do seguro agrícola e tecnológias resilientes como forma de assegurar o investimento e garantir a restauração da capacidade produtiva pós – calamidade.

Discursando o Ministro reiterou o compromisso de contribuir para superar, paulatinamente os constrangimentos que ainda impedem o almejado desenvolvimento da Agricultura no âmbito da implementação dos diferentes planos operacionais do sector, visando a erradicação da fome e aumento a renda das famílias produtoras.

“Devemos continuar a trabalhar para fazer face aos constrangimentos identificados com vista a transformação dos agricultores familiares em produtores orientados para o mercado, bem como os médios produtores em comercias impulsionando a produtividade e produção agrária.

Para o efeito, o Ministro assegurou que vão continuar a envidar esforços no sentido de aumentar a produtividade e produção agrária com enfoque na produção de semente básica, insumo determinante na cadeia de produção de qualidade, melhorar o acesso e massificar o uso da mecanização agrícola pelos produtores o que permitirá aumento da produção.
” Há necessidade de reforçar a capacidade de organização dos nossos produtores no contexto da cadeia de valor de forma a que a produção seja feita em escala para facilitar a colocação no mercado nacional e internacional, com recurso a uma negociação justa do preço”.

Artigos relacionados