Em trinta e três mil hectares, a praga do funil do milho está controlada

Esta informação foi prestada esta terça-feira, em Maputo, por Antónia Vaz, Chefe do Departamento de Sanidade Vegetal no Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, num encontro organizado pela Embaixada dos Estados Unidos da América.
Antónia Vaz sublinhou que os produtores estão a ser treinados para identificar esta nova praga, devido às suas características, que se assemelham a outras.
O Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar indica que a cultura do milho não está ameaçada e as províncias do Niassa, Maputo e Zambézia são as que apresentam maiores áreas com perdas da cultura do milho, em resultado da acção da praga da lagarta do funil.
Entretanto, Domingos Cugala, Investigador de Agronomia e Engenharia Florestal da Universidade Eduardo Mondlane, considera que Moçambique perdeu a batalha para a erradicação da praga da lagarta do funil.
Cugala disse que decorrem ensaios laboratoriais, para prover pesticidas que minimizem o impacto da praga, no país.
A praga da lagarta do funil que ataca o milho, o arroz e o algodão, foi identificada em Moçambique, em Janeiro de 2017.
O Malawi e o Quénia decretaram emergência, na sequência do surgimento da praga da lagarta do funil e, a Zâmbia, efectuou pulverizações aéreas. (RM)

Artigos relacionados

eskisehir escort porno
umraniye escort
sirinevler escort beylikduzu escort atakoy escort sisli escort bakırkoy escort escort bayan sirinevler escort escort bayan beylikduzu escort halkali escort escort bayan
porn
sivas escort yalova escort
escort malatya escort manisa
etlik escort